Mutirão de Confissões da Forania de Gurupi

Participe da Santa Missa e Via Sacra toda sexta-feira durante a quaresma
11 de março de 2019
Santa Missa da Unidade
18 de março de 2019

Mutirão de Confissões da Forania de Gurupi

A partir do dia (30/03) na Paróquia Imaculada Conceição iniciará o mutirão de confissões da forania de Gurupi às  19h30min, são seis paróquias  na cidade que tem data de início em que você poderá ir para se confessar mais próximo de sua casa. A confissão é o ato de reconciliação é um sacramento de cura, nós católicos somos convidados a pelo menos uma vez ao mês procurar um sacerdote para se confessar, mas no tempo da quaresma as Igrejas fazem um mutirão para atender  uma demanda maior daqueles que há muito tempo não procura um padre para a reconciliação com Deus. Veja abaixo as demais datas.

De acordo com o Catecismo da Igreja Católica  a confissão dos pecados nos liberta e facilita nossa reconciliação com os outros. Pela acusação, o homem encara de frente os pecados dos quais se tornou culpado: assume a responsabilidade deles e, assim, abre-se de novo a Deus e a comunhão com a Igreja para um futuro novo. 

O que é Pecado?

Pecado é uma ofensa a Deus, uma ruptura da comunhão com ele. Ao mesmo tempo é um atentado à comunhão com a Igreja. Só Deus perdoa os pecados. Por ser Filho de Deus, Jesus diz de si mesmo: " O Filho do homem tem poder de perdoar pecados na terra" (Mc 2, 10). Mas o pecado também traz consequências interiores e exteriores que com o tempo o ser humano se ver obrigado a se arrepender e pedir perdão a Deus e ao próximo.

Veja algumas dicas para o momento da Confissão

O catecismo da Igreja Católica indica quatro passos para receber o perdão a Deus pelos nossos pecados.

1) Exame de consciência;

Neste antes da confissão é necessário fazer uma reflexão dos seus atos, é neste momento que diante de Deus você deve listar todos os seus pecados e não deixar os mais graves para trás, "pois é esses pecados que ferem gravemente a alma e são mais prejudiciais do que os outros  que foram cometidos à vista e conhecimento de todos"( Catecismo).

2) Contrição (ou arrependimento), que inclui o propósito de não voltar a pecar;

É na contrição que consiste numa dor da alma e detestação do pecado cometido, com o desejo de não mais pecar no futuro.Ou seja, é também um dom dado por Deus, que nasce do peso do pecado ou do temor da condenação eterna e de outras penas que ameaçam o pecador (contrição por temor). É a partir daí que há o abalo da consciência e o início da evolução interior que é concluída com a graça pela absorvição sacramental.

3) Confissão;

O momento em que o sacerdote espera ouvir todo seu arrependimento, e por meio de Deus e Jesus Cristo o liberta de toda a culpa e sofrimento causado por atos contrários a vontade de Deus. Uma boa confissão é dizer os pecados ao sacerdote de forma clara, concreta, concisa e completa.

4) Satisfação (ou cumprir a penitência).

Neste sabemos que é preciso fazer o possível para reparar os efeitos negativos do pecado e com isto, o sacerdote convida o irmão a realizar uma penitência que consiste ser através da oração, numa oferta, em obras de misericórdia, no serviço ao próximo, e também voluntários. Estas penitências nos ajudam a configurar-nos com Cristo, que, sozinho, expiou nossos pecados. 

São quatro passos que damos para poder receber o grande abraço de amor que Deus nosso Pai nos quer dar com este sacramento: “Deus espera-nos, como o pai da parábola, de braços estendidos, ainda que não o mereçamos. Não importa a nossa dívida. Como no caso do filho pródigo, apenas é preciso que abramos o coração”.

O bom mesmo é está bem com Deus e com os irmãos,por isto, mesmo que erramos e sejamos pecadores, procurarmos fazer o bem, mesmo através dos erros, faz parte da vida que Deus nos deu para seguirmos em frente e testemunharmos sua glória aqui na terra entre os homens pois, Deus é misericordioso e não se compadece de ti perante as adversidades do seu filho amado, ele cuida de nós como ovelhinhas desgarrada que precisa de cuidados especiais. Por isto, a busca a Deus deve ser infinita na mente, corpo e alma. 

Fonte: Catecismo da Igreja Católica.

Por: Adriana Castelo Branco

Pastoral da Comunicação Social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: