O Sacramento da Confissão. Como fazer uma boa confissão?

Seja você também um Apostolado do Oratório com Maria Santíssima
14 de setembro de 2018
Santa Missa de encerramento da I Missão Mariana emocionou fiéis de Gurupi
17 de setembro de 2018

O Sacramento da Confissão. Como fazer uma boa confissão?

Para fazer uma boa confissão é necessário:
Ter confiança no perdão de Deus. Examinar cuidadosamente a consciência.Ter dor e arrependimento dos próprios pecados. Fazer o propósito de, com o auxílio da graça de Deus, nunca mais os cometer. Dizer os próprios pecados ao confessor, sem esconder nenhum, evitando divagações. Especificar, em relação aos pecados graves, quanto possível, o seu número. Cumprir a penitência imposta pelo confessor. 

Exame de consciência Recolha-se em silêncio na presença de Deus:
''Meu Deus e Senhor, eu me preparo para receber o santo sacramento da Penitência. Iluminai o meu espírito, a fim de que eu conheça claramente o número e a gravidade dos meus pecados, deles me arrependa, e os confesse ao vosso ministro com verdadeira dor e firme propósito de nunca mais Vos tomar a ofender. Amém".

Do meu relacionamento com Deus:
Se tenho rezado diariamente, e se rezei com devoção. Se perdi a esperança em Deus, sobretudo nas dificuldades.
Se reclamei da vontade de Deus nas dificuldades. Se deixei de ir à Missa aos domingos e dias de preceito. Se deixei de comungar por ocasião da Páscoa. Se passei muito tempo sem buscar o Sacramento da Confissão. Quanto tempo? Se trabalhei aos domingos e dias santos de guarda sem causa justa. Se cheguei atrasado por culpa própria à Missa. Se tenho prestado atenção e tido a devida compostura durante a Missa e dentro da Igreja. Se usei roupas indecorosas, sobretudo para ir à Igreja ou casas religiosas (seminários, mosteiros, conventos, etc). Se escondi algum pecado grave na Confissão por vergonha ou outro motivo, ou me confessei sem dor dos pecados. Se pequei, pensando que depois me confessaria facilmente, abusando, assim, do perdão de Deus. Se comunguei estando em pecado grave. Se deixei de guardar o jejum e a abstinência de carne nos dias prescritos pela Santa Igreja. Se tenho sido infiel à Religião, duvidando da Fé, lendo escritos ou assistindo a programas de televisão contrários à doutrina católica. Se tive  vergonha de manifestar a minha fé católica. Se deixei de ajudar a Igreja em suas necessidades, mesmo as materiais, como o dízimo, por exemplo, tendo condições para isso. Se frequentei outras religiões, seitas ou práticas supersticiosas, como magias, feitiços, adivinhações, etc. Se pronunciei o nome de Deus, de Maria Santíssima ou dos santos sem respeito. Se jurei por Deus ou jurei falso.

Do meu relacionamento com o próximo:
Se desrespeitei ou desobedeci a meus pais e superiores. Se ofendi meu próximo, e se a ofensa foi grave. Se fui desleixado na educação de meus filhos, e se não me empenhei em transmitir-lhes a Fé Católica. Se deixei de corrigi-los ou dei-lhes mau exemplo. Se tratei mal minha esposa (meu esposo). Se falei ou pensei mal de alguém. Se disse palavras injuriosas ou vulgares. Se falei mentiras, leves ou graves, e se prejudiquei o próximo com elas. Se comentei defeitos ou faltas de meu próximo sem necessidade. Se fiz intrigas ou caluniei alguém em coisas graves. Se irritei-me, roguei pragas ou maltratei alguém, e se recusei reconciliar-me, guardando rancor. Se desejei ou cometi vinganças.
Se desejei o mal ou a morte a alguém. Se agredi fisicamente alguém, ou matei alguém. Se usei meios imorais para "controlar" a gravidez. Se cometi aborto, ou ajudei de alguma forma alguém a abortar. {A Santa Igreja ensina que o aborto provocado, qualquer que seja o método, é um pecado gravíssimo que leva consigo a pena canónica de excomunhão para quem o realiza e para todos os que nele tomam parte conscientemente. ] Se alegrei-me com a desgraça de meu próximo. Se descuidei de meus deveres de estado (família, trabalho, estudos). Se cobicei os bens alheios. Se roubei alguma coisa (qual o valor), e se já restituí. Se comprei coisas roubadas, e se ainda as tenho comigo. Se causei prejuízo grave a alguém, moral ou financeiro. Ainda não restituí a honra alheia ou o valor?
Se pedi emprestado e não devolvi. Se levei outros a pecar, por mau exemplo ou por convite. Se mostrei imagens ou vídeos contrários à castidade a outros. Se olhei para alguém com intenções impuras. Se fiz gestos ou disse palavras contrários à castidade. 

Do meu respeito comigo:
Se tive consciência de que meu corpo é um "templo do Espírito Santo", e se tomei alguma atitude contrária a esse altíssimo dom que possuo. Se consenti em olhar ou pensar coisas contrárias à castidade. Se conversei, li ou assisti a coisas contrárias à castidade (TV, Internet, celular, etc). Se deixei de fugir dos desejos de coisas contrárias à castidade. Se cometi atos impuros (sozinho, com outras pessoas, solteiras ou casadas). Se tenho fugido das más ocasiões. Se usei roupas indecentes. Se participei de divertimentos contrários à castidade. Se traí, ainda que por pensamentos ou desejos, minha esposa (meu esposo). Se desejei ou procurei minha morte. Se caí no vício do jogo ou algum outro vício. Se cometi o pecado de gula comendo ou bebendo demais ou embriagando-me. Se fui egoísta, orgulhoso ou vaidoso, chamando a atenção sobre mim, ou olhando-me demoradamente no espelho com o intuito de me autocontemplar. Se fui invejoso, entristecendo-me com as qualidades ou bens de meu próximo.

Acusação das faltas
Terminada a enumeração dos pecados, diga ao confessor:
"Destes e de todos os pecados da minha vida me arrependo de todo o meu coração. Quero emendar--me e peço perdão de minhas culpas. Arrependo-me também de todos os pecados de que não tenho memória nem conhecimento".
Ato de contrição
"Meu Pai e meu Deus, reconheço com muita dor
que pequei! Eu Vos ofendi, ó meu Redentor, e mereci
os vossos castigos. Por Maria, minha e vossa Mãe,
declaro que não quero pecar mais. Por Ela, eu Vos
peço perdão".

Oração a Nossa Senhora
Ó Mãe boníssima, não me esqueçais quando eu de Vós me esqueça; não me abandoneis quando eu Vos abandone; segui-me com vosso celeste olhar e chamai-me quando eu me afaste de Vós; procurai-me quando eu me esconda; ide ao meu encalço quando eu fuja; atai-me quando eu Vos resista; domai-me caso eu me ponha de pé contra Vós; levantai-me quando eu caia; reconduzi-me pelo vosso caminho quando eu me transvie. 
f(Plinio Corrêa de Oliveira).

As confissões seguem até esta sexta-feira (14/09) das 9h30 às 12:30 e das 16h às 20:30 na Matriz de Santo Antônio.

Fonte: Arautos do Evangélio
www.arautos.org
arautos@arautos.org.br
Tel: (11) 2971-9040

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: